[Resenha] – Uma curva na Estrada de Nicholas Sparks

leiam vale a pena

Everything But the Books

Olá amores!!

A resenha de hoje é sobre o livro de Nicholas Sparks.

Uma-Curva-Na-Estrada

Uma Curva na Estrada

Nicholas Sparks

Editora Arqueiro

goodstars

A vida do subxerife Miles Ryan parecia ter chegado ao fim no dia em que sua esposa morreu. Missy tinha sido seu primeiro amor, a namorada de escola que se tornara a companheira de todos os momentos, a mulher sensual que se mostrara uma mãe carinhosa. Uma noite Missy saiu para correr e não voltou. Tinha sido atropelada numa rua perto de casa. As investigações da polícia nada revelaram. Para Miles, esse fato é duplamente doloroso: além de enfrentar o sofrimento de perder a esposa, ele se culpa por não ter descoberto o motorista que a atropelou e fugiu sem prestar socorro. Dois anos depois, ele ainda anseia levar o criminoso à justiça. É quando conhece Sarah Andrews. Professora de seu filho, Jonah, ela se mudou de Baltimore para New…

Ver o post original 612 mais palavras

Anúncios

Livro: P.S Eu Te Amo

Vou pegar esse livro emprestado essa semana vamos ver se é bom mesmo!!

Todos Amam

Quem já assistiu o filme P.S Eu Te Amo levanta a mão \o/.

livro ps eu te amo

Depois de assistir e gostar do filme, quis ler o livro. Saber um pouquinho mais sobre os personagens, o romance e o drama que os envolviam. O livro é sempre melhor que as adaptações cinematográficas, né? Pois nos filmes tem muitas coisas que são alteradas, que muitas vezes perdem até mesmo a essência da estória do livro.

As palavras quando são bem escritas, podem não só relatar um acontecimento e te informar. Mas, também tem o poder de ter emocionar, de fazer rir, chorar, sonhar,  refletir e até mesmo de te transformar. Ao ler o livro foi exatamente isso que aconteceu comigo, eu me emocionei, ri e chorei, lendo a estória de Holly e Gerry. Pois na vida, a dor de perder uma pessoa que amamos e de convívio continuo, doe, te corrói, pois ficamos sem direção…

Ver o post original 178 mais palavras

Opiniões por favor !!!

Gente eu preciso da ajuda de vocês, apesar da minha pouca idade (16 anos) já sei o que quero fazer do meu futuro trabalhar como colunista ou qualquer área que envolva jornalismo, e como hooby ser escritora, porque na verdade é isso que amo fazer desde que aprendi a ler e a escrever.

Bom mais vamos ao que interessa, eu estou escrevendo uma história (que pode se tonar um livro), mais é ai que está o problema eu já sei  qual vai ser o enredo da história e tudo, porém não tenho ideia de qual vai ser o título por isso preciso de ajuda, vocês comentar vários títulos e veremos qual ficará melhor, e como agradecimento, se eu um dia conseguir publicar, não deixarei de colocar o nome da pessoa que me ajudar com o título.

O enredo da história.

Annie é uma garota muito bonita, boa e temente a Deus, que estava se sentindo mega feliz pois acabara de ganhar um carro como presente pelos seus 18 anos.

Ela sabia que naquela noite algo diferente iria acontecer , mais não imaginava que essa seria sua última noite com vida.

De repente  uma luz branca brilha no céu e Annie acorda num lugar lindo  que transmitia paz ao seu coração, a menina estava tão encantada que nem reparou que havia um par de asas junto ao seu corpo.

Resumindo Deus dá a ela a missão de resgatar Derek um garoto de 17 anos de volta para o caminho de Divino, e os dois acabam se apaixonando perdidamente um pelo outro, mas como um anjo poderia viver uma história de amor com um humano e como se não a força das trevas fará de tudo para Annie não completar sua missão , até mesmo sacrificar vidas de pessoas inocentes…

PS: Derek venderá sua alma para o príncipe das trevas.

É basicamente isso é claro que tem vários outros detalhes que eu não irei contar se não estraga a surpresa.

Por Favor me ajudem!       Beijos

A escolha – Nicholas Sparks

A escolha - Nicholas Sparks

Gente eu tô louca pra ler esse livro não só porque é um livro do Nicholas, mais porque de primeira a frase da capa me chamou atenção.
Até onde devemos ir em nome do amor ?
Travis Parker é um veterinário conhecido e bem sucedido da pequena cidade de Beaufort, que leva uma vida de solteiro de dar inveja. Possui uma boa casa, bons amigos, um bom companheiro canino e hábitos esportivos que dão a ele um quê de aventureiro. E não é por acaso que, por conta de todas essas características, ele chama a atenção de Gabby Holland, uma mulher – e que a todo tempo passa um ar de menina – muito reservada, com sonhos latentes, porém com o objetivo de se casar com seu namorado Kevin, motivo pelo qual ela se mudou para Beuafort em primeiro lugar.

Duas pessoas com objetivos divergentes, nada em comum aparentemente. A não ser pelo fato de que ambos eram apaixonados pelos seus cães, que eram seus companheiros. A gravidez inesperada de Molly, cadela de Gabby, a faz ter certeza de que não há outra possibilidade a não ser que Moby, cão de seu vizinho inconseqüente, a tenha engravidado. Ao tomar a decisão de tirar satisfações sérias com seu vizinho Travis, Gabby tem seu primeiro contato verdadeiro com aquele homem que tinha tudo para tirá-la do sério e acaba por deslocá-la sentimentalmente de seu relacionamento com Kevin.

A primeira parte do livro que poderia ser chamada como a parte da conquista, do flerte e de toda aquela atmosfera de descobrimento de afinidades, é de longe uma das partes mais agradáveis do romance. Os diálogos são leves, divertidos e pouco previsíveis. Carregados sempre com um tom de ironia, as falas de Travis Parker nos faz imaginá-lo como um típico galanteador, do tipo que não há como resistir. É notável o estado de vulnerabilidade ao qual ele leva Gabby a cada conversa, piada e troca de olhares entre eles. No desenrolar dos capítulos dá para sentir o progresso entre os dois. A cada capítulo, fica difícil não comprar a idéia de que eles se completam e de que Gabby tem logo que dar um fim ao seu relacionamento com Kevin para viver esse amor que parece ter sido um presente do destino.

Outra personagem que merece destaque é Stephanie, irmã de Travis. Ela com certeza contribui para o bom humor da história. Muito confiante e brincalhona, ela é a personagem que te arranca um sorriso antes mesmo de a sua fala ser lida. A sensação do livro, a todo o tempo, pelo menos para mim, é a de que estamos a menos de 10 passos do cenário apresentado e a leveza dos diálogos é um convite para que possamos assistir de camarote esse enredo com humor típico de uma comédia romântica.

A partir daí, acompanhamos a história de um casal que parece estar sempre em sintonia fina, que acabam construindo uma família com suas duas filhas e seus dois cães. E talvez essa tenha sido uma das partes do livro que eu diria ser perfeita demais e enjoativa demais de se ler. Mas não. O autor parece ter sido muito cauteloso na dose de açúcar e deixou o romance dos protagonistas no ponto certo, impossível de se enjoar. No auge da rotina de casados, as memórias são cortadas e, sem perceber, a trama nos transporta no tempo. A impressão que se tem é a de que o livro é tão divertido que o prólogo é desconsiderado por nós e tudo até agora não passou de lembranças. Existe um intervalo de 11 anos entre o prólogo e o restante dos capítulos e nesse momento eu confesso que retornei ao inicio do livro para prestar mais atenção no enredo.

Travis Parker está relembrando os melhores momentos da sua vida ao lado de Gabby, desde a conquista até a estabilização da rotina de casados. Nesse momento faz muito mais sentido que o desenrolar da história seja tão divertido, afinal é uma seleção das melhores memórias de um marido completamente apaixonado por sua esposa. Gabby está em uma situação delicada. A ligação entre os protagonistas parece transcender o significado de lealdade e companheirismo e por conta de uma promessa, Travis precisa fazer uma escolha: até onde devemos ir em nome do amor? Com um final desafiador e inesperado, Nicholas Sparks nos provoca alguns minutos de reflexão ao virar a última página da obra e ainda nos faz acreditar que vivemos aquele romance, mesmo que por tabela.

Por que essa mania de escrever cartas porque?

Eu não sei porque eu tenho essa mania de ficar escrevendo cartas, se hoje existe internet e todas as formas de comunicação, talvez seja pelo simples motivo de eu estar lendo muitos livros do Nicholas Sparks kkk’, ou porque através das cartas a imaginação vá mais além do que em um simples email, pois nas cartas percebe-se cada traço das letras e imaginamos a pessoa escrevendo e se lembrando dos momentos felizes, das discussões bobas, dos micos, que talvez não possam mais acontecer devido à distância, ou qualquer outro impedimento.

Mas a questão é: Eu ainda não sei porque gosto de escrever cartas.

O que vocês acham?